PING: A Pobreza não é um jogo

14-12-2011

Os jogos de computador, são muitas vezes associados a uma imagem negativa, mas várias experiências em todo o mundo mostram que podem ser também direcionados para o desenvolvimento da aprendizagem e da criatividade. É o caso deste jogo que explora questões relacionadas com a pobreza.

A pobreza não é exclusiva dos países do terceiro mundo. Como foi sublinhado ainda recentemente, durante o último Ano Europeu de Combate à Pobreza e Exclusão Social, também as sociedades ocidentais se debatem com este problema.

Foi para dar a conhecer esta realidade aos públicos mais jovens e para potenciar a sua reflexão e espírito crítico, que foi desenvolvido, no âmbito do projeto PING, um jogo que permite aos que nele entram viver a experiência da pobreza. A ideia dos promotores, a Fundação Rei Baudouin e o IBBT
, que em Portugal teve o apoio da Fundação Gulbenkian, é não ficar apenas no entretenimento ou lazer mas ir mais longe e usar esta ferramenta como veículo de sensibilização e debate social, partindo da constatação de que os jogos chegam muito facilmente aos jovens, no seu próprio ambiente e linguagem.

O Programa Escolhas associou-se também já a esta iniciativa, promovendo este jogo junto dos projetos, onde apesar de os jovens e crianças serem provenientes de contextos vulneráveis, muitas vezes bem conhecedores de situações de pobreza, podem tirar outras lições. No início do jogo, ficam sozinhos, numa situação de precariedade, com um orçamento para gerir e são as escolhas que fizerem, boas ou más, que irão ditar a sua sorte no jogo.

Bruno Farinha, do projeto “Trilho no Desafio” de Sesimbra, estreou o jogo entre os jovens com quem trabalha e conta que ao princípio se espantaram por ser mais difícil do que estavam habituados. Aos poucos foram conseguindo progredir e a aprender a gerir o orçamento que lhes é dado no início e no final, “a principal conclusão que retiraram da experiência é a de que se trabalharem podem chegar a algum lado”.

É possível aceder ao PING, gratuitamente, através da Internet, no endereço:
www.povertyisnotagame.com Nesta página pode ser encontrada uma versão portuguesa do manual para professores, respostas a perguntas frequentes e outra informação útil.

 

Comentários

    Ainda não há comentários. Insere o teu comentário